11 de nov de 2010

Banco Panamericano - Influente demais para falir.

O primeiro banco do ano influente demais para falir. Salvo pelo dinheiro que deveria existir para garantir os depósitos de até, salvo engano, R$ 60 mil na poupança. Ocorre que o banco panamericano, do Silvio Santos, é um banco que serve tipicamente para fazer financiamentos e empréstimos a juros altíssimos para o povão consumir e sair rindo a toa.
O banco iria quebrar no estouro da crise mas o Governo usou a Caixa para salvá-lo (com aportes do BNDES, é claro).
Adivinhem quem vai pagar a conta do rombo do panamericano. Serão os pagadores de impostos? Ah não, de novo.
As instituições de crédito começam a mostrar o verdadeiro efeito da bolha de crédito/imobiliária inflada nos últimos anos.
Qual será o próximo banco a ser salvo pelo Governo. Lembremos que no Brasil os bancos não podem quebrar porque são influentes demais para falir.
Este é o livre mercado tupiniquim.

5 comentários:

Kleber S. disse...

Pedro, se serve de consolo, o barakistano e' igualzinho ao tupiniquim.

Um grande abracp


Kleber S.

Anônimo disse...

O aporte foi feito usando o fundo garantidor de crédito, cujo dinheiro é depositado pelos próprios bancos, ou seja, o $$$$ que foi emprestado (2,5 bilhões) não foi dinheiro do contribuinte, e sim capital privado.

Pedro Júnior disse...

Anônimo, o dinheiro é depósitado pelos próprios bancos compulsoriamente, ou seja, de forma obrigatória, não sendo bondade ou vontade dos bancos a constituição deste fundo. O dinheiro é privado só que está à disposição do Governo. Portanto é quase um tributo. Não é bondade dos outros bancos como está sendo veiculado pela imprensa e sim mudança de destinação do fundo.

Pedro Júnior disse...

Para ficar mais claro é como se fosse um depósito compulsório ou o FGTS que é dinheiro do trabalhador que o governo toma "emprestado" à força e o usa em investimentos públicos.

Pedro Júnior disse...

Kleber,
É isso aí. A impunidade e o jeitinho estão cada vez mais globais.